Nunes, Jacinto, 1926-2014

Zona de identificação

tipo de entidade

Pessoa singular

Forma autorizada do nome

Nunes, Jacinto, 1926-2014

Forma(s) paralela(s) de nome

Forma normalizada do nome de acordo com outras regras

Outra(s) forma(s) do nome

  • Nunes, Manuel Jacinto

identificadores para entidades coletivas

área de descrição

datas de existência

1926-01-27/2014-07-14

história

Jacinto Nunes nasceu em Lisboa, licenciou-se no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras (ISEF), iniciando a sua carreira de professor em 1948. Entre1950 e 1952 rege, no Instituto Superior Técnico a cadeira de Economia. Em 1954 doutora-se em Economia pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, defendendo a tese “Rendimento Nacional e o Equilíbrio Orçamental”. Ocupou outros diversos cargos, de alguma forma ligados ao ensino na Junta Nacional de Educação, como seja o acompanhamento e avaliação do ensino superior.
Depois de se jubilar no Instituto Superior de Economia e Gestão, em 1996, a sua carreira foi ainda reconhecida, em 2002 pela Universidade de Coimbra, ao atribuir-lhe o título de Doutor Honoris Causa em Economia.
Paralelamente à vida académica, desempenhou variadíssimos cargos e funções. Na OECE entre 1959 e 1965 – onde representou Portugal no Comité de Política Económica – e, durante esse período, participou nas negociações que conduzirião à adesão de Portugal ao Fundo Monetário Internacional. Como representante de Portugal, seria nesta instituição Governador entre 1960 e 1975 e posteriormente entre 1980 e 1985. Em 1960 foi nomeado vice-governador do Banco de Portugal, cujas funções ocuparia até 1975 e novamente, como governador entre 1980 e 1985. Entre 1976 e 1980 ocupou o cargo de Administrador-Geral na CGD e presidente do Conselho de Administração, cargo que acumulou com o de presidente do Conselho Nacional de Rendimentos e Preços, entre 1976 e 1977, e com o de governador, por parte de Portugal, do Banco Mundial, entre 1978 e 1979.
Vogal da Comissão Revisora de Contas da Fundação Calouste Gulbenkian a partir de 1979, regressou, no ano seguinte, à governação do Banco de Portugal, onde permaneceu até 1985.
A sua participação política traduziu-se, fundamentalmente, no exercício dos cargos de Subsecretário de Estado do Tesouro (1955-1959), vice-primeiro-ministro para os Assuntos Económicos e Integração Europeia e ministro das Finanças e do Plano, ambos, entre 22 de novembro de 1978 e 8 de agosto de 1979, na vigência do IV Governo Constitucional.
Sócio e membro de várias agremiações de âmbito cultural e económico, de que se destacam a Academia das Ciências de Lisboa, a Sociedade de Geografia, a American Economic Association e a Econometric Society, foi agraciado com as mais altas condecorações tanto em Portugal como no estrangeiro.
Autor de numerosos estudos económico-financeiros, com destaque para Estrutura da Economia Portuguesa (em parceria, 1954), Dívida Pública e Rendimento Nacional, Desenvolvimento Económico e Planeamento, Keynes e a Nova Política Económica e De Roma a Maastricht (1993). Dirigiu, também, a coleção “Estudos de Economia Moderna” e foi consultor principal da coleção “História do Pensamento Económico Português”.

Locais

Lisboa

status legal

funções, ocupações e atividades

Ex-ministro das finanças, vice-primeiro-ministro para os Assuntos Económicos e Integração Europeia, ex-Governador do Banco de Portugal e ex-Presidente da Caixa Geral de Depósitos.

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

contexto geral

Área de relacionamento

Zona do controlo

Identificador da descrição

GA/AGLP20200206 04

Identificador da instituição

ES GA 15700 AGLP

Regras ou convenções utilizadas

Norma Galega de Descrición Arquivística (NOGADA), versão 2ª, Fevereiro 2010
International Standard Archival Autorithy Records for Corporate Bodies, Persons and Families (ISAAR (CPF)), versão 2ª, 2004
Datas de existencia (ISO 8601)

Estatuto

Nível de detalhe

Parcial

Datas de criação, revisão ou eliminação

2020-02-06 (Datas de criação) [ISO 8601]

Línguas e escritas

  • português

Script(s)

Notas de manutenção