Academia Galega da Lingua Portuguesa

Fernández Ordóñez, Francisco, 1930-1992

Zona de identificação

tipo de entidade

Pessoa singular

Forma autorizada do nome

Fernández Ordóñez, Francisco, 1930-1992

Forma(s) paralela(s) de nome

Forma normalizada do nome de acordo com outras regras

Outra(s) forma(s) do nome

  • Fernández Ordóñez, Francisco José

identificadores para entidades coletivas

área de descrição

datas de existência

1930-06-02/1992-08-07

história

Francisco Fernández Ordoñez nasceu em Madrid em 2 de junho de 1930 e morreu na capital da Espanha em 7 de agosto de 1992. Formou-se em Direito, aprovou o concurso para juiz com o número um, apesar de ter escolhido ser procurador e ter sido designado para Huelva, onde ficou cinco anos. Em 1959, ele competiu pelo Tesouro, ingressando no Corpo de Inspetores Fiscais do Estado. Depois de expandir os estudos na Universidade de Harvard, ocupou vários cargos no Ministério das Finanças de Espanha até ser nomeado, em 1974, Presidente do Instituto Nacional da Indústria (INI), cargo a que renunciou devido a estar em desacordo com a política do governo Arias Navarro.
Fernández Ordóñez foi uma das principais figuras da política da Transição espanhola. Militante social-democrata, foi eleito deputado da UCD por Madrid em 1977. Nesse mesmo ano, assumiu a carteira do Tesouro, onde deixou realizada grande parte da Reforma Fiscal, incluindo o novo regulamento do Imposto de Renda Geral. Em setembro de 1980, foi nomeado Ministro da Justiça, cargo em que empreendeu a reforma do sistema judiciário e redigiu a controversa Lei do divórcio. Em novembro de 1981, deixou a UCD e, já no PSOE, ocupou a presidência do Banco Estrangeiro de Espanha. Em 4 de julho de 1985, o Presidente do Governo, Felipe González, nomeou-o Ministro das Relações Exteriores.
Ao longo de sua carreira à frente do portfólio de estrangeiros, Francisco Fernández Ordonez fez inúmeras turnés e visitas em diferentes países como chefe do estabelecimento e aprimoramento das relações de Espanha com o resto do mundo. Viveu eventos políticos importantes como o referendo sobre a permanência de Espanha na OTAN, a adesão de nosso país à UEO (União Europeia Ocidental) ou à Conferência de Madrid no Oriente Médio. Em 7 de fevereiro de 1992, assinou o Tratado da União Europeia, assinado em Maastricht. Renunciou ao cargo de ministro em 1992, pouco antes de morrer.

Locais

Madrid (Espanha)

status legal

funções, ocupações e atividades

Político, Ministro das Relações Exteriores de Espanha (1985-1992), Ministro da Justiça de Espanha (1980-1981), Ministro das Finanças de Espanha, Presidente do Banco Estrangeiro de Espanha e Presidente do Instituto Nacional da Indústria (INI)

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

contexto geral

Área de relacionamento

Zona do controlo

Identificador da descrição

GA/AGLP20200206 03

Identificador da instituição

ES GA 15700 AGLP

Regras ou convenções utilizadas

Norma Galega de Descrición Arquivística (NOGADA), versão 2ª, Fevereiro 2010
International Standard Archival Autorithy Records for Corporate Bodies, Persons and Families (ISAAR (CPF)), versão 2ª, 2004
Datas de existencia (ISO 8601)

Estatuto

Nível de detalhe

Parcial

Datas de criação, revisão ou eliminação

2020-02-06 (Datas de criação) [ISO 8601]

Línguas e escritas

  • português

Script(s)

Notas de manutenção