Unidad documental compuesta 20/3 - Convite da Academia das Ciências de Lisboa à Comissão para a integração da língua da Galiza no Acordo de Ortografia Unificada para participarem na reunião sobre o Projeto de Unificação Ortográfica de 1990

Área de identificación

Código de referencia

ES AGLP ES GA 15700 AGLP FON-6-6.1-6.1.2-20/3

Título

Convite da Academia das Ciências de Lisboa à Comissão para a integração da língua da Galiza no Acordo de Ortografia Unificada para participarem na reunião sobre o Projeto de Unificação Ortográfica de 1990

Fecha(s)

  • 1990-12-1 (Creación)

Nivel de descripción

Unidad documental compuesta

Volumen y soporte

2 folhas originais e várias cópias ( A5 e A4)

Área de contexto

Nombre del productor

Academia das Ciências de Lisboa (1779-12-24/-)

Historia del productor

A Academia das Ciências de Lisboa foi fundada a 24 de dezembro de 1779, com beneplácito da rainha D. Maria I. Os grandes responsáveis e mentores pela concretização deste projeto foram, sobretudo, o 2.º Duque de Lafões, D. João Carlos de Bragança, primeiro Presidente, e o abade José Corrêa da Serra, primeiro Secretário-geral, que, conhecedores das sociedades congéneres europeias conceberam para Portugal uma instituição semelhante.
A primeira sessão realizou-se a 16 de janeiro de 1780. Entre várias propostas, o lema da instituição passou a ser a sentença de Fedro:
Nisi utile est quod facimus stulta est gloria.
Se não for útil o que fizermos a glória será vã.

Denominada Academia Real das Sciencias de Lisboa, assumiu a designação atual em 1910. É uma instituição de âmbito nacional que, desde sempre, mantém relações com congéneres de outros países.
A Academia ajudaria a promover a Ciência e o Ensino. Compunha-se das Classes de Ciências Naturais, Ciências Exatas e Belas-Letras, com Sócios Efetivos e Correspondentes, além de Correspondentes estrangeiros. Como na congénere francesa, eram encorajados a participar – recebendo um jeton de prata pela participação nas sessões, prática a que orçamentos restritos puseram fim. Após a instalação no antigo Convento de Jesus, da Ordem Terceira, alocado em 1834, uma Reforma dos Estatutos (1851) reorganizou a Academia nas Classes de Ciências e de Letras, que se mantêm.
A Academia das Ciências de Lisboa tem desempenhado papel ímpar no que concerne às Ciências Exatas, Naturais e Humanas, Tecnologias e Economia. As Memórias que tem vindo a editar espelham a História das Ciências e das Letras em Portugal, bem como a evolução do estado científico e cultural do país.
Pela atividade, tradição e espólio, tem desempenhado papel relevante na História das Ciências e do Ensino Superior, ministrado na Academia, ou sob sua administração, desde o século XVIII. Ensinaram-se Física, Química e Ciências Naturais. Realizaram-se Congressos, Colóquios e outros eventos com grande projeção internacional. Foram numerosas as Comunicações apresentadas e as edições de obras, muitas de grande vulto, científicas e outras, como a Portugaliae Monumenta Historica. Muitos foram os Sócios notáveis, como Alexandre Herculano.
A Academia tem sofrido graves inconvenientes pela eternização de ocupações de espaços seus em exclusivo benefício de interesses alheios. Atravessou períodos brilhantes a par de crises, a maior parte das quais a política nefasta de Teófilo Braga logo em fins de 1910: despeitadíssimo por não ter sido reeleito para a vice-presidência, tentou-a destruir em favor de outra por ele criada, eliminando a Tipografia – apesar dos seus relevantes serviços –, transferindo pessoal, cortando verbas, dificultando a administração, etc.
Porém, não entrou em letargia. Prosseguiu intensa atividade, com apresentação de Comunicações; Investigação; Intercâmbio internacional; difusão de conhecimentos através de edições e da Internet; ações do Instituto de Altos Estudos, com realce para estudos académicos para seniores; exposições temporárias, enquanto procuramos reunir condições para expor o rico património museológico; bem como prestação de serviços.
Com altos e baixos a refletirem as condições do País e apesar de graves carências de recursos, de restauro e manutenção do Património, a Academia mantém-se como um fórum de progresso e debate onde sempre coexistiram ideias e posições muito diversas.

Historia archivística

Datos sobre el ingreso

Área de contenido y estructura

Alcance y contenido

Carta da Academia das Ciências de Lisboa enviada à Comissão para solicitar a presença de dois representantes galegos para tomarem parte como observadores, na reunião em Lisboa de 8 a 12 de outubro de 1990 em que será apreciado o Projeto de Unificação Ortográfica.

Información sobre evaluación, selección y eliminación

Acumulaciones

Sistema de arreglo

Área de condiciones de acceso y uso

Condiciones de acceso

Condiciones

Idioma del material

Escritura del material

Notas sobre las lenguas y escrituras

Características físicas y requisitos técnicos

Instrumentos de descripción

Área de documentación relacionada

Existencia y localización de originales

Existencia y localización de copias

Related units of description

Descripciones relacionadas

Área de notas

Identificador(es) alternativo(s)

Puntos de acceso

Puntos de acceso por materia

Puntos de acceso por lugar

Puntos de acceso por nombres de persona

Área de control de la descripción

Identificador de la descripción

Identificador de la institución

Reglas y/o convenciones

Estado de descripción

Nivel de detalle

Dates of creation revision deletion

Idioma(s)

Escritura(s)

Fuentes

Área de Ingreso

Materias relacionadas

Personas y organismos relacionados

Lugares relacionados

Unidad de almacenaje

  • Caja: 20